Aconcágua: Dia 3

  Dia longo, tem que acordar cedo, em torno das 5h estávamos de pé. Mesma rotina, desmontar acampamento, arrumar mochila, tomar café e pé na trilha!! Quer dizer, no começo não foi bem na trilha, mas no rio... O começo do dia já adiantava o que seria o terceiro dia de caminhada, aquele que para mim foi o mais pesado dos dias de aproximação!!


Travessia de rio de degelo!! Primeira vez que deixei de sentir as pernas!

    Objetivo era sair às 7h, e assim o fizemos!! Com uma pequena diferença, ao invés de calçar botas, estas foram amarradas à parte externa da mochila e vestimos papete/crocs, afinal de conta a primeira parte era atravessar um rio de degelo, aproximadamente 300m, água batendo no joelho... gosto de dizer que foi uma experiência incrível, mas uma das piores sensações que já senti... na metade do rio tive momentos de me apoiar apenas nos bastões, por não estar sentindo as pernas... mas deu tudo certo, chegamos aos outro lado, levamos uns 15 min pelo menos para reaquecer os pés, vestimos as botas e pé na estrada. A segunda parte, digamos assim, denomina-se quebrada de los relinchos, pelo fato de ser onde as mulas relincham ao subir, dada a inclinação deste trecho.. imagina só o que é!! E para terminar um longuíssimo trecho de estepe, pouco desnível, mas muito longo, com sol a pino!! A vantagem é que todo esse último trecho tínhamos adiante de nós o Aconcágua, com céu limpo, podendo vislumbrar toda sua magnitude e beleza!!


Metade da Quebrada de los Relinchos!!


     Chegamos no campo base Plaza Argentina (4.200msnm) perto das 16h, extremamente cansados. Eu, particularmente, senti bastante todo o desnível do dia, cerca de 1.000m, e cheguei com muita dor de cabeça. Fomos recepcionados com um lanche, montamos acampamento, e tirei um cochilo, pra ver se passava a dor.. funcionou, e somado ao jantar me senti muito bem!! A noite já estava novo!!


Vista do Aconcágua da trilha do terceiro dia

     O campo base Plaza Argentina fica aos pés da montanha, sendo o ponto de apoio mais importante desde lado da montanha. Nele concentram-se todos montanhistas que estão subindo por este lado, e muitos ficam nele alguns dias, fazendo caminhadas diárias aos campos altos e retornando, a fim de otimizar a aclimatação. Por isso no campo base encontramos muitas empresas que prestam serviço de alimentação... assim como é no campo base que fica a última base fixa de guarda parques, onde possuem serviços médicos (que todos devem passar para conferir suas condições de saúde e ter sua subida autorizada)... Por isso no campo base ficamos três dias, tendo um domo de apoio só para nossa equipe, o que nos deu muita privacidade e liberdade!! Também foi no campo base que tomamos a última chuveirada (chamar de banho é um pouco de exagero, rsrsrs)!! O objetivo aqui era descansar e aclimatar para a escalada propriamente dita!


Parada para "almoço"!!

"Dia pesado. Acordamos às 5h, com o objetivo de sair às 7h de 'Casa de Piedra', e ao final saímos às 7:30h.